Blog – Sistema de Ensino CNEC

Orientações sobre o Material Didático Digital

Prezados diretores e coordenadores pedagógicos,

O Sistema de Ensino CNEC informa que o seu material didático digital se apresenta como uma ferramenta de conexão entre os conteúdos e o aluno por meio do ambiente digital. No material digital, o aluno tem a oportunidade de atuar de forma protagonista na construção de seu conhecimento. São possíveis interações em diferentes pontos do material e de diferentes formas, pois ele apresenta em sua estrutura diferentes tipos de objetos H5P[1]. Com o uso desses objetos, são atendidas diferentes demandas de aprendizagem através da proposta de conteúdos interativos.

Dessa forma, o discente adquire maior autonomia durante os seus estudos, pois pode realizar as atividades e também a correção destas, uma vez que todas as atividades interativas possuem gabarito disponibilizado. Assim, o aluno consegue visualizar os pontos do conteúdo estudado em que está com maior dificuldade e revê-los durante sua rotina de estudos.

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) ressalta a importância do contexto para dar sentido ao que se aprende e ao protagonismo do aluno, tanto em sua aprendizagem como na construção de seu projeto de vida. Compreende-se como protagonismo a capacidade de o aluno se enxergar como agente principal da própria vida, em que ele se responsabiliza por seus atos, distingue suas ações das de outros e expressa iniciativa e autoconfiança. O aluno protagonista acredita que pode aprender individualmente e atuar de forma colaborativa e participativa no contexto escolar.

De acordo com a BNCC,

Há que se considerar, ainda, que a cultura digital tem promovido mudanças sociais significativas nas sociedades contemporâneas. Em decorrência do avanço e da multiplicação das tecnologias de informação e comunicação e do crescente acesso a elas pela maior disponibilidade de computadores, telefones celulares, tablets e afins, os estudantes estão dinamicamente inseridos nessa cultura, não somente como consumidores. Os jovens têm se engajado cada vez mais como protagonistas da cultura digital, envolvendo-se diretamente em novas formas de interação multimidiática e multimodal e de atuação social em rede, que se realizam de modo cada vez mais ágil. (BRASIL, 2018, p.61)

De acordo com Gobbi e Kerbauy[2],

Estamos diante de uma mudança cultural, onde não necessariamente a experiência significará a participação real no mundo globalizado. A Geração N-Geners deverá se abrir para o conhecimento real dos Nativos Digitais, resultado não dos padrões de ensino aprendizagem das escolas ou mesmo do sentido de experiências dos “mais velhos”, mas de experimentos, de curiosidade, de testes múltiplo, de tentativas, acertos, erros e trocas, características da juventude. É necessário dar o crédito que essa geração possui, nascida na internet e crescendo digital, tem muito a oferecer. É uma nova cultura que se descortina. (GOBBI, MC; KERBAUY, MTM, 2010, p.39)

O material didático digital pode ainda ser utilizado como ferramenta na metodologia da sala de aula invertida. O modelo de sala de aula invertida promove a aprendizagem envolvente, prática e significativa por meio de abordagens inovadoras. Além disso, essa metodologia possibilita maior tempo e espaço para desenvolver diversas habilidades, como a autonomia, a capacidade na resolução de problemas, o senso crítico, a colaboração e a criatividade.

Na metodologia da sala invertida, o aluno é incentivado a se tornar ativo e responsável pelo próprio aprendizado. Ao estudar previamente o tema proposto, o aluno se organiza melhor, controla seu tempo e tem autonomia para seguir seu ritmo e escolher o formato que julga ter mais facilidade para assimilar o conteúdo proposto.

Uma vantagem do uso do material digital como recurso na metodologia da sala invertida é a otimização do tempo. Durante as aulas expositivas, o professor gasta boa parte do tempo tirando dúvidas e sofrendo interrupções que, muitas vezes, fazem com que a aula não renda tanto quanto poderia. Já no modelo de sala de aula invertida, como os alunos já tiveram um contato prévio com o conteúdo por meio do material digital antes da aula, surgem menos dúvidas e há a possibilidade de se trabalhar o conteúdo com mais rapidez e profundidade.

As práticas educacionais inovadoras vão além dos aspectos acadêmicos, voltados para a memorização ou o nível de raciocínio lógico do aluno, e consideram outras inteligências que permitem uma formação global, incluindo aspectos sociais, comportamentais, esportivos, emocionais, artísticos e tudo mais que abrange o ambiente no qual o aluno está inserido. O objetivo é fazer com que os alunos obtenham conhecimentos de forma integrada e contextualizada, permitindo que o aprendizado aconteça por meio de ações e transformando o professor em uma ferramenta facilitadora do processo de ensino-aprendizagem.

A equipe pedagógica do Sistema de Ensino CNEC segue à disposição.

Atenciosamente,

Sistema de Ensino CNEC


[1] H5P significa HTML5 Package, que é um dos principais plugins relacionados à produção de conteúdo, e possibilita elaborar conteúdos interativos, de modo a atender diferentes demandas de aprendizagem, especialmente aquelas relacionadas com as estratégias lúdicas e de gamificação.

[2] GOBBI, MC., KERBAUY, MTM., (orgs.) Televisão Digital: informação e conhecimento [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura acadêmica, 2010. 482 p. ISBN 978-85-7983-101-0. Available from SciELO Books

Compartilhe essa postagem!

Voltar ao Topo